Feeds:
Posts
Comments

Archive for June, 2008

Quando eu era pequena achava que “anda sozinho” era sinônimo de fraqueza e que as pessoas que assim andavam não tinha nada de interessantes, pois se tivesse estariam cercadas de amigos. Confesso… pura idiotice minha, mas criança é criança.

Admiro essas pessoas que andam sozinhas, já não as vejo mais como uns E.T’s. Acho que o meu maior medo era ser uma pessoa sozinha, sem amigos, não ser popular… coisas que na infância e adolescência (falando como uma senhora de 60 anos) eram extremamente preocupantes. Como passar o recreio sozinha? Como não ter um grupo pra fazer trabalho juntos? Ora, isso com certeza era coisa que gente que no mínimo devia ter algum doença contagiosa ou então era um NERD. Mas agora as coisas mudaram muito. Não que muitas vezes não seja um saco, mas já não me importo mais.

Hoje sou uma pessoa sozinha por opção, por mais banal que isso seja. Tenho vários conhecidos, me divirto em qualquer lugar, gosto de conversar, rir, fala besteiras…. mas gosto da solidão, um pouco. Passar algum tempo comigo mesma, mas não um tempo em casa sentada na frente do computador, esse tempo tem que ser na rua, olhando o movimento e ouvindo conversa alheia nem que seja por descuido. Admito que me sinto bem indo a um café sozinha. Senta, lê algum livro ou jornal só escutando o barulho em volta. Porém, por mais que as pessoas não aceitem, elas acham estranho isso. Todo mundo olha pra ti quando tu ta sozinha, parece um imã. Acredito que as pessoas são um pouco carentes do seu eu. Aquele que muitas vezes a gente tem que convidar pra passear, ir no cinema, toma um chopp ou um café, na verdade onde ir não importa nem o que fazer, o que importa é ficar consigo mesmo e muito bem obrigada. Até porque a solidão não é parente da tristeza, por mais que muitas vezes elas andem de mãos dadas.

P.S.: Alguém pelo amor de Deus avisa essa ultima frase pro google imagens? Afffe
Advertisements

Read Full Post »

Prometi a mim mesma que não ia postar esse texto, logo quando o fiz. Mas após mostra a alguns amigos resolvi guardá-lo no rascunho do blogspot e hoje resolvi postá-lo. Aviso desde já, tirem as crianças da frente do computador, porque lá vem muitas magoas e revoltas! Sangue? Um pouco, já que quando escrevi há exatamente 21 dias atrás, estava realmente machucada. Desculpa-me quem não entender uma linha se quer ou achar muito lúdico, mas não podia me expor mais um pouco do que já estou nesse texto. A quem acreditar que é pra si, mais uma vez desculpe-me, mas pra quem é não importa…. o que realmente importa é que não sinto mais isso que escrevi, superei estou ótima… vi que realmente o que importa é o que eu acredito que sou, mas não posso força as outras pessoas a acreditarem nisso, muito menos concordarem comigo. Se estou ou estive errada volto a repeti não me importo mais. O passado que fique no passado, só não posso deixar de publicar meus textos… e sinceramente? Gosto de textos revoltados, esse é um pedaço do meu eu que poucos conhecem, mas que posso passar aqui.

Vamos ao texto!

Realmente as coisas mudam, não faço mais idéia de quem é você. Alias nunca soube…. Poucas vezes na vida perdi a seriedade como perdi contigo, você mais uma vez consegui estragar tudo. Com certeza você tem um dom especial. O dom de afastar tudo e todos.

Não, eu não te odeio, ódio para mim é pra poucos e você não entra nessa lista. Você me fez pensar, me fez acreditar quando disse “sim, eu quero”, pura ilusão, prepotência e “achismo”. Não eu não quero mais isso, você não merece o meu carinho, muito menos a minha consideração e respeito. Isso tudo eu já havia pensado, sim confesso, já tinha chego a essa conclusão, mas sou uma boba. É uma otária, uma imbecil ou quem sabe uma fraca que ainda acredita nas pessoas, que pensa que elas não são cem por cento ruins. Já tinha me enganado com outras pessoas antes, mas nunca assim. Lhe dei mais uma chance senhor “sabe tudo”, mas fui atropelada mais uma vez pelo seu ego, esse que não perdoa ninguém, nem mesmo você.

E se eu quisesse rir da sua cara? O que você faria? Me mataria? Você já esta me matando. Suas ignoradas, suas ironias me mataram. Se as minhas fizeram o mesmo caro colega, peço-lhe desculpa, mas só atirei porque você atirou primeiro. Ou seja, aprendi com o melhor de todos os professores: VOCÊ! Nunca fugi, nunca tive medo, muito menos aparência enganadora, minha vida sempre foi baseada na sinceridade, se não queres acreditar o problema é seu. Ao contrário do que possa pensar, o que você vê é exatamente o que eu sou.

Vamos lá, já sabes de tudo mesmo… quero o seu verdadeiro eu, não mais um cara confuso que habita o seu cérebro. O que você vai fazer agora senhor “culto”? Aposto valores altíssimos que NADA. Ora, ora… acho que agora sim lhe conheço, não é mesmo? Prazer, sou a mesma Juliana de sempre.

Fique só, não ande mais na minha volta, não me chame mais, não quero saber como vai a sua vida, muito menos o que deu errado. Quero você distante, longe o bastante para eu esquecer que um dia eu acreditei em você. As pessoas não mudam, apenas se revelam…. pena que com você eu aprendi isso tarde demais!!!

Read Full Post »

Elétrica

Tem momentos na vida que a única coisa que queremos é pula, dança, cantar bem alto, rir mais, conversar mais… ou seja tudo, menos ficar parado. Não existe uma viva alma que nunca sentiu isso, pelo menos grita todo mundo já quis fazer.

Não tem como escutar uma música com uma batida legal sem mexe nem que seja o pezinho, todo mundo fica mais feliz. Ando elétrica confesso, não sei muito o porque, pode ser porque é fim de semestre ou porque consegui fazer uma boa ação, sei lá… o que importa mesmo é que a felicidade que eu sinto agora não tem nome nem sobrenome, muito menos CPF. É uma felicidade pura e simples, conseqüentemente muito verdadeira

O que mais quero fazer agora é sai, dançar, cantar alto…. Enfim curti a vida, as noites de insônia já passaram, as tardes concentrada pensando também já foram. O que as pessoas falam já pouco me importa, acho que voltei a ser aquela “velha” Juliana, mais alegre, simpática, aquela que vive falando besteira e rindo do nada. Dei um basta pra essa Juliana “adulta” demais que tava tentando me domina, não sou assim verdadeiramente. Quem eu queria enganar? Ah sim, queria enganar eu mesma.

“Das 10 da noite às 4
E eu vim para agitar a pista
Achei que você soubesse antes
Mas se você não sabia, agora sabe
Eles querem saber? Diga a eles que
estou sozinha.

(…)

Confiança é uma necessidade
Felicidade é uma vantagem
Inquietude é uma pressa

(…)

Senso de estilo
interessante
Um sorriso de 10 milhões de dólares
Acho que não posso agüentar isso
Eu desisto do meu auto-controle”

Read Full Post »

Comecei a lê algumas notícias sobre a seleção brasileira, impossível não se manter informada sobre, mesmo não querendo. A minha posição sobre isso? Tá tudo uma merda!!!! Sim, é uma pouca vergonha.

Não sou contra o Dunga, só me pergunto: porque entre os sete foram escolher logo o Dunga? Hehehehe, pidinhas infames a parte, não sei…. acho que ele era um ótimo jogador, tinha uma excelente liderança dentro de campo, mas o cara nunca tinha sido treinador na vida. Foi muito precipitado tudo. Eles queriam ou achavam que ele seria o novo Felipão só que dessa vez colorado, impossível. Estava na cara que isso seria uma loucura e agora estão ai metendo o pau no coitado (não pensem besteiras, não estou falando literalmente)

Acredito que a culpa não é só dele, ele é meio louco, faz uma escalação beeeeem estranha, mas e os jogadores? Não jogam nada, eles fazem isso só fora do Brasil, porque quando tem que mostrar que são bons de verdade e defenderem o país eles não querem. Eu acho que se o técnico só convocasse jogadores que jogam aqui, todos eles iam se puxar. Os que já estão foram não precisam de mais nada. E é por essas e outras que eu não tenho mais interesse de ver a seleção, lógico que o Galvão tem uma boa parcela de culpa, mas bah… assim não nada, né?!

Read Full Post »

Volte sempre

Estou com o Word aberto há alguns minutos, mais precisamente a uns 30 minutos e eu não sei por onde começar…. Poderia começar falando o quanto essa pessoa foi importante ou como ele mesmo não sendo um ótimo jogador conseguiu deixar uma marca enorme em um clube, mas não seria exatamente o que gostaria de falar.

Para quem não entendeu estou falando de Fernando Lúcio da Costa, mais popularmente conhecido por Fernandão. O famoso capitão do Internacional, o orgulho de uma torcida que mesmo muitas vezes descreste apostava todas as suas fichas e salários mínimos em um cara que confiavam plenamente, uma vez que sabiam que teriam resposta positiva. Esse líder que chegou da França sem muitas esperanças, com uma carreira nada consolidada, mas veio aqui fazer sua história, um Goiano com alma, mente e coração GAÚCHO.

Ele com certeza não foi dos melhor que já tivemos, era um jogador que pecava e que por pouco não nos decepcionava, mas com todos erros sempre dava a volta por cima e mesmo quando não consegui superar suas dores (por ironia do destino) passava seu lugar para um jogador mais criticado, parecendo saber que aquele jogador ia nos dar a maior gloria mais esperada nos quase cem anos de clube. Esse era Fernandão, um cara que conseguia calar qualquer torcida. Ao procurar a foto para ilustra o texto me deparei com uma legenda que diz exatamente tudo que esse homem fez por esse clube.

Fernandão ajuda Inter a quebrar estigma de ser time regional e acabar com as gozações gremistas.

Acredito que por isso que ele nunca foi fortemente criticado por uma torcida que não perdoa. Uma torcida tão cruel, e que ele mesmo ajudou a acostuma-la com as vitórias. Como torcedora não tenho o que fala, não tenho como criticar um homem que fez o que fez, ajudou a acabar com anos de derrotas, anos de só gauchões. A única coisa que posso fala é: muito obrigada. Valeu mesmo por ser um líder nato no exato momento em que o meu time mais precisava de um. Obrigada pelo gol mil, pela libertadores, pelo mundial…. obrigada por tudo. Hoje até as pedras do Beira-Rio choram por perdê-lo

Read Full Post »

Señor Galilei

Ia postar um texto antigo e “violento”, mas hoje é dia de Santo Antônio, não que eu acredite nessas crenças populares, mas é melhor não arriscar. Ah sim, claro, sexta-feira treze também, então o melhor é postar um texto light.

L’amourôôô l’amour…. Não desconheço essa palavra por pouco, já que amo meu cachorro, meus pais e o colorado…. mas amor ao “próximo”, claro um próximo moreno ou loiro, olhos claros, voz roca… esse próximo que estou falando. Bom, por esse nunca amei…. nunca pude dizer a alguém que ele foi a melhor coisa que me aconteceu, muito menos que mesmo não falando o amo. Posso dizer que já me cansei de beijar sapos, mas que o famoso príncipe encantado nunca encontrei. Sei que nunca o encontrarei, ninguém é perfeito. Estou ciente disso.

Há quem diga que a melhor coisa é não procura, quando tu vê ta ali a pessoa. Porém, posso dizer com todas as letras: não posso ser assim, sou muito desligada pra isso. Não existe pessoa mais tapada que eu, nunca sei quando é ou não uma indireta, sim tenho medo de arriscar e sei que não sou a única. Por isso vou vivendo, quem sabe um dia Santo Antônio me manda um Irlandês que saiba dança Samba-Rock, até lá sigo aqui me divertindo e me irritando com os errados.

P.S.: A saga atrás de um Irlandês continua, sim. Firme e forte! Um dia irei de consegui. 😉

Read Full Post »

P. S. I LOVE YOU!

Quando fiz esse blog a minha intenção era de falar de coisas realmente interessantes e importantes para a sociedade, como uma boa (futura) jornalista que se preze, mas o tiro saiu pela culatra e virou isso. Não me incomodo nem um pouco de falar o que sinto e penso aqui, sempre gostei muito de crônicas e to tentando fazer o mesmo (ainda que mais uma vez o tiro saia pela culatra). Então o que posso avisar é que a partir de agora vai começar mais um texto ridículo e idiota, ok? Se não estiver com vontade de lê, bye….

Vi o filme P.S. I love you de novo hoje, dessa vez chorei menos, já que da outra vez eu chorava vendo a mulher cantando Get Off do Prince…. Porém, o que fez eu comentar foi o começo do filme, e como nós mulheres realmente somos “burras”. Ok, sei que as feministas mais invocadas vão querer o meu pescoço, mas azar.

No filme a Holly (Hilary Swank) briga com o seu marido por besteiras do tipo: “Você disse para minha mãe que eu não quero ter filhos ainda. PRA MINHA MÃE!” algo que realmente não vale um minuto de discussão. E depois de muitas brigas e discussões bestas ele morre. Realmente é um pouco triste, mas o que eu me pergunto é: Pra que se estressa com essas coisas? Oras, discussões bestas não levam a lugar algum, só causam cabelos brancos antes do tempo, certo? É…. certo, porém…. tenho que confessar, sou uma “consumidora assídua” da discussão por pouca coisa, gosto de sentir a adrenalina do perder, quase como viver a vida perigosamente. E querem saber mais? Sou uma mulher burra, quer dizer não é bem essa a palavra, mas sim insegura… tenho sempre que achar alguma coisa para questionar e sei que não sou a única, qualquer mulher que se preste briga por besteira. São realmente poucas coisas que nos tiram do sério, como por exemplo não responder ou questionar demais. Por isso digo e repito, isso muitas vezes não passa de insegurança, principalmente se tu não sabe nem por um decreto o que o maldito está pesando ao teu respeito.

Após um currículos extenso de brigas por besteiras, com o filme acabei vendo que deixamos escapar pessoas que poderiam ser muito especiais, tanto no sentido amoroso como no da amizade. E o pior, sem percebe… tudo por causa de um orgulho feminino besta. Hoje depois de muito refletir, vi que o começo desse filme é nada mais que um tapa na cara da maioria das mulheres. Claro, tem algumas brigas que realmente eram para ocorrer, mas outras as “bestas” só fazem a gente perder momentos preciosos, momentos esses que nunca mais voltaram, mas como diria a minha mãe: “A vida ensina”. E a essas pessoas com quem briguei bestamente, peço desculpas.

P.S.: Mais uma vez após ver o filme comunico: PRECISO DE UM IRLANDÊS!!!!
P.S.2: A imagem fui eu quem fiz no photoshop… hehehe

Read Full Post »

Older Posts »